PSTU ESTEVE NA PARADA LGBT DO CEARÁ EXIGINDO FIM DA OPRESSÃO LGBTFÓBICA

PSTU ESTEVE NA PARADA LGBT DO CEARÁ EXIGINDO FIM DA OPRESSÃO LGBTFÓBICA

my-portfolio

Os LGBTs vivem no seu dia-a-dia desde piadas, ofensas, expulsões de casa, empregos precarizados até a violência física. O Brasil é campeão em assassin...

Contra burguês vote nulo dessa vez: Segundo Turno em Fortaleza
Camilo quer privatizar o Ceará
Usina de biodísel de Quixadá foi destivada para ser privatizada

Os LGBTs vivem no seu dia-a-dia desde piadas, ofensas, expulsões de casa, empregos precarizados até a violência física. O Brasil é campeão em assassinatos de LGBTs e isso é resultado, entre outras coisas, de não ter sido aprovado um projeto de lei (PLC 122) que criminaliza a LGBTfobia.

Após mais de uma década de governos do PT a vida das LGBTs, especialmente das pobres e trabalhadoras não melhorou, ao contrário a violência e os assassinatos não param de crescer e os nossos direitos civis são negados.

Temer fará de tudo para arrancar ainda mais direitos dos trabalhadores e com certeza atacará com ainda mais força a vida das LGBTs. Junto com o Congresso Nacional de corruptos e preconceituosos farão de tudo para impedir o combate à LGBTfobia e à sua criminalização.

Queremos falar em orgulho sendo não apenas toleradas, mas respeitadas. Queremos deixar de ser subjugadas no trabalho, de viver com ameaças, de ser humilhadas constantemente. Queremos deixar de morrer por ser quem somos e viver plenamente! Nessa sociedade, para conseguirmos essas coisas é preciso lutar.

Diante de todos os ataques à classe trabalhadora que atingem com mais força a população LGBT, as mulheres e os negros é preciso unificar às lutas no país em uma Greve Geral em que possamos enfrentar junto com os demais trabalhadores os ataques do Temer e erguer a nossa voz exigindo a criminalização da LGBTfobia e o fim da violencia LGBTfóbica.