Camilo quer privatizar o Ceará

Camilo quer privatizar o Ceará

my-portfolio

Em agosto o governador Camilo Santana (PT) reuniu cerca de 130 empresários e políticos para apresentar um projeto de privatização do Ceará em que entr...

Aumento do subsídio dos Vereadores de Iguatu-CE é barrado com luta
Nota do PSTU em defesa da democracia nos debates
Novo presidente do Senado, Eunício Oliveira, é eleito para continuar ataque aos trabalhadores

Em agosto o governador Camilo Santana (PT) reuniu cerca de 130 empresários e políticos para apresentar um projeto de privatização do Ceará em que entregaria inicialmente dez ativos públicos do estado para a iniciativa privada. De lá pra cá tem se empenhado em oferecer o patrimônio cearense à grandes empresas nacionais e estrangeiras.

Entre os ativos que serão privatizados a principio estão o Castelão e o Centro de Formação Olímpica, o Complexo Industrial Portuário do Pecém, o Cinturão Digital, o Metrô e VLT de Fortaleza e região metropolitana, a Ceasa, o Centro de Eventos, o Acquário Ceará e 6 grandes terrenos que pertencem ao estado.

A iniciativa tem sido aplaudida por empresários que veem as privatizações como uma oportunidade de aumentar seus lucros faturando com o patrimônio publico. Também não era pra menos, os ativos que  que serão entregues estão avaliados em no mínimo R$ 8,5 bilhões.

A justificativa de Camilo para as privatizações é conseguir dinheiro para tirar o estado da crise e torna-lo mais “competitivo”. As medidas vão no mesmo sentido do que fez a ex-presidente Dilma e agora faz Temer entregando para a iniciativa privada uma boa parte da infraestrutura do país e a Petrobrás com a mesma justificativa de ajudar a sair da crise.  Mas a verdade é que as privatizações só ajudam os patrões a ganharem mais dinheiro. Para os trabalhadores a situação só piora porque o patrimônio publico passa a ser controlado para dar lucro para meia duzia de empresários que, alem de receberem repasses do governo ainda vão cobrar pelo serviço.

Enquanto quase meio milhão de pessoas não tem trabalho no estado as iniciativas do governador vão no sentido de aumentar os lucros daqueles que já tem muito dinheiro. Se Camilo realmente quisesse tirar o Ceará da crise deveria começar cobrando o que as empresas devem ao estado que, segundo o Sintaf, em 2014 já somavam R$ 6,4 bilhões. Alem disso teria que por um fim às isenções fiscais que tiram dinheiro dos cofres estaduais para encher os cofres dos patrões e aumentar os impostos que pagam os mais ricos para diminuir o que pagam os mais pobres.

O projeto de Camilo só serve para beneficiar os ricos. Nenhuma privatização vai melhorar a vida dos trabalhadores e do povo pobre do estado. Para tirar o Ceará da crise é preciso dizer não à entrega do patrimônio publico e acabar com a farra dos empresários.